Ana Marcela Cunha! Inspiração!

  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

A Ana Marcela Cunha é umas das nadadoras de referência das águas abertas. Com 25 anos, já compete ao mais alto nível internacional desde os 16 anos, tendo participado nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, classificando-se em 5º lugar.

Desde esta última data tem somado resultados de excelência ao seu curriculum desportivo. Já venceu por 3 vezes o Circuito Mundial de Taças do Mundo e bicampeã mundial na prova de 25km. Já foi eleita por 2 vezes a melhor atleta de águas abertas nos prémios anuais da FINA. Para além das vitórias, por várias vezes alcançou lugares de pódio nas restantes distâncias competitivas (5 e 10km individuais e 5km por equipas) em Campeonatos Mundiais. Assim, aos 23 anos de idade, Ana Marcela Cunha tornava-se a mulher brasileira com mais medalhas obtidas em Campeonatos do Mundo.

Ana Marcela Cunha participou nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, inicialmente apontada como uma das grandes favoritas à vitória final, mas acabou por se classificar na 10ª posição a 57 segundos da primeira classificada.

Após os Jogos Olímpicos, a nadadora foi submetida a uma intervenção cirúrgica, onde lhe foi retirado o baço.

Resumidamente e sem entrar em pormenores, foi-lhe diagnosticada uma doença autoimune que destrói a produção de plaquetas sanguíneas.

Retorna em 2017 às grandes competições internacionais com a presença nas etapas do circuito mundial primeiro em Viedma, depois seguiu-se Abu Dhabi e finalmente a nossa etapa de Setúbal.

Em Viedma é 5ª classificada a 47 segundos da primeira classificada. Em Abu Dhabi é 12ª classificada a 39 segundos da primeira classificada. Em Setúbal é 5ª classificada a 2 segundos na primeira classificada e agora no Mundial da Hungria é 3ª classificada na prova de 10km a 3,5 segundos da primeira classificada. Aparentemente é possível afirmar que durante o ano de 2017 tem vindo a crescer de forma sustentada e que à luz do primeiro resultado do Mundial, ainda terá uma palavra a dizer nas restantes 3 provas em que marcará presença.

Estamos perante uma vencedora e para quem acompanha as competições que faz ficamos sempre impressionados com as suas habilidades. É uma nadadora que não se limita a nadar em linha reta entre boias. Ela é capaz de desaparecer da direita do pelotão e aparecer na sua esquerda como se tratasse de um truque de magia, ela roda facilmente sobre os adversários à procura de uma melhor posição para atacar a fase seguinte de uma prova, ela lê as ações das suas adversárias e toma constantes decisões ao longo da prova, enfim, a Ana Marcela Cunha domina o meio e a modalidade.

Mas não é só isto que me impressiona, a persistência e o espírito de guerreira estão também presentes no processo de treino e são uma fonte de inspiração para quem observa.

Uma semana antes da partida para o Mundial da Hungria, Ana Marcela Cunha e seu treinador Fernando Possenti estiveram em estágio preparatório no Centro de Estágio e no Complexo de Piscinas de Rio Maior. Uma semana antes da partida, Ana Marcela Cunha dá um mau jeito na execução de um exercício no ginásio e fica com dificuldade de locomoção, tendo mesmo que utilizar o elevador para subir para o quarto. O mais engraçado e demonstrativo do carácter desta nadadora é que no dia seguinte estava a fazer uma série de recuperação de 7×1000 Livres Braços e c/Pull-Buoy, a realizar parciais homogéneos a rondar 1m11s a cada 100 metros. Outra curiosidade é que fez a série toda com uma pastilha elástica na boca, sem nunca a deixar cair e sem se engasgar.

Ana Marcela Cunha e Fernando Possenti: Obrigado pela INSPIRAÇÃO!

Crédito da foto: Facebook de Ana Marcela Cunha

Comentários