José Machado: “Não podemos comportar-nos como um atirador que dispara primeiro e depois é que desenha o alvo”

  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

José Machado, diretor técnico nacional (DTN), considera, em declarações ao site da FPN, que a participação portuguesa no recente Europeu de piscina curta, em Copenhaga (Dinamarca), foi “acima das expetativas”, mas deixa o alerta: “Não podemos comportar-nos como um atirador que dispara primeiro e depois é que desenha o alvo”.

A Seleção Nacional marcou presença em seis finais, 18 classificações entre os 16 primeiros, seis recordes nacionais absolutos e 16 recordes pessoais em 26 possíveis (média de 61 por cento).

“Uma participação acima das expetativas, com os nadadores a conseguirem evoluir muito no que se refere à obtenção de recordes pessoais o que acabou por se traduzir numa melhoria das classificações em relação às posições de entrada na maioria dos casos. É ótimo constatar que os nadadores são capazes de nadar mais rápido do que alguma vez o fizeram, nestas condições de competição», afirmou o DTN.

Segundo José Machado, “não é importante saber se esta foi ou não a melhor participação de sempre em campeonatos Europeus de piscina curta, porque o objetivo deste grupo é obter resultados em piscina longa”, acrescentando que “estes resultados são um bom indicador de que tal é possível”.

“Se conseguirmos um balanço idêntico a este nos próximos Europeus de Glasgow aí sim podemos de forma convicta concluir que a nossa evolução competitiva é de facto uma realidade”, concluiu.

Comentários