Treinador do Fluvial acusa “vice” da FPN de mentir sobre Jogos Mediterrâneos

  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Alfonso Merino, treinador do Fluvial Portuense, lançou esta sexta-feira duras críticas sobre o vice-presidente da Federação Portuguesa de Natação (FPN), Jorge Cruz, acusando-o de mentir sobre a razão que esteve na base da alteração de datas das fases finais de Grupos de Idades, apurou o Chlorus.

“Desculpem, acabo de ler a resposta de Jorge Cruz e não posso ficar em silêncio. É uma autêntica vergonha a resposta que deu sobre a mudança de datas [das fases finais de Grupos de Idades] por causa dos Jogos do Mediterrâneo (competição sénior e não de idades) que já sabia que iam participar desde janeiro (antes de Portugal ser eliminado para o Europeu), portanto também mente”, lê-se num email enviado pelo técnico portuense que o Chlorus teve acesso.

“Não podemos ficar assim, estão a rir-se de nós. Deveríamos fazer uma reunião urgente e falar disto. O maior problema não é a mudança, é a forma. Não podemos consentir”, refere ainda Alfonso Merino.

No comunicado de 23 de março, a FPN anunciou que estava “a analisar uma possível alteração às datas das fases finais/intermédias das provas de grupos de idades”, na “sequência da participação das Seleções Nacionais masculina e feminina nos Jogos Mediterrâneos 2018, e tendo em devida consideração, as consequentes implicações que a mesma poderá ter numa convocatória final bem como no planeamento da época por parte dos clubes”, confirmando no comunicado de 29 de março “as novas datas das provas de grupos de idades”.

Em reação a esta tomada de posição, a Associação de Natação do Norte de Portugal manifestou, no dia 4 de abril, “o desagrado pelas alterações” das datas das fases finais de Grupos de Idade, “sendo que aparentemente não havia necessidade de ser alterado toda a programação, até porque os clubes já se tinham organizado nas datas previamente publicadas”.

Ainda segundo a ANNP, “não parece admissível proceder à alteração dos calendários, dado o impacto na logística da ANNP e seus clubes filiados, bem como nos pais dos Atletas”, requerendo que “a presente alteração seja analisada e consequentemente repostas as datas inicialmente conhecidas oficialmente”.

No dia seguinte, a FPN respondeu através do “vice” Jorge Cruz, justificando as alterações.

“O calendário desportivo do PA para a época 2017/18 foi apresentado aproximadamente há um ano. Foi definido com o pressuposto que as Seleções Nacionais Feminina e Masculina seriam apuradas para o Campeonato Europeu Absoluto, a disputar em Barcelona no mês de julho deste ano. Infelizmente, assim não aconteceu. Gorada esta hipótese, procurou esta Federação soluções para a atividade das nossas Seleções”, lê-se num email enviado por Jorge Cruz que o Chlorus teve acesso.

“Um grande trabalho de colaboração com o Comité Olímpico Português permitiu incluir nos Jogos Mediterrâneos 2018, a disputar em Tarragona – Espanha, as duas Seleções, Feminina e Masculina de polo aquático. Logo, este compromisso internacional, que em data coincidente com Fases Finais de Idades, obrigou a alterações de calendarização anteriormente previstas”, refere o dirigente federativo.

“Concordamos que poderá trazer algumas perturbações à planificação já existente, mas entendemos, e atempadamente, ser a melhor solução encontrada, para que eventuais jogadores selecionados, possam, sem prejuízo dos jogos a disputar pelos seus respetivos clubes, representar também Portugal no referido evento”, reforçou Jorge Cruz.

“O momento menos positivo para o polo aquático português, aliado à não concretização dum claro objetivo desta Federação, despoletou o início de uma reflexão profunda sobre o modelo existente. Com a colaboração do Exmo. Sr. Presidente, Direção, Diretor Técnico e Selecionadores Nacionais, está em curso uma análise, que concluída será apresentada e avaliada por outras entidades nacionais, com representatividade nesta disciplina da FPN, tendo em vista um futuro melhor para o polo aquático português. Novos desafios a nível europeu e mundial para Seleções Juniores estão no horizonte próximo, querendo esta Federação uma representação o mais digna possível para o Polo Aquático de Portugal”, concluiu o responsável federativo pela pasta do polo aquático.

Créditos da foto: Fluvial WP

Comentários